5 Formas de Reduzir o Medo dos Pacientes na Odontologia

Compartilhe:

A percepção dos pacientes é fortemente impactada a reações de estresse e ansiedade dentro dos consultórios Odontológicos. Medo de dentista e do tratamento odontológico é uma realidade cultural em praticamente todo o mundo. Se por um lado pacientes possuem diferentes reações negativas, que vão das pouco perceptíveis até impossibilidade de tratar, alguns estudos, como o de Veerkamp, Gruythuysen, Van Amerongen, Hoogstraten e Weerhijm (1995), chegaram a conclusões bem interessantes para nós dentistas:

Dentistas tendem a julgar um paciente como mais ou menos temeroso pelo nível de aceitação com o tratamento. Assim, pacientes com alto nível de tensão, mas reclusos, passam despercebidos pela avaliação dos profissionais.

Pacientes tensos são um grande problema para o dentista. Por um lado sua fisiologia alterada pode influenciar no transoperatório, por outro seu lado psicológico alterado também determina menores taxas de fechamentos de planejamentos, menor aceitação de tratamentos mais complexos e, por fim, fuga e postergação de necessidades de tratamento.

Afinal, como dentistas podem atuar minimizando o impacto do medo e ansiedade dos pacientes? Essa resposta será apresentada nas 5 sugestões abaixo:

 

1) Sua imagem gera reações instantâneas nos pacientes:

Nesse caso estamos falando do conceito ampliado de imagem. A aparência de suas roupas, cabelo, barba (para homens), unhas geram reações de confiança ou não. Nosso cérebro trabalha com associações para tomar decisões e, nesse caso, pessoas com má aparência geram menos credibilidade. Podemos ampliar para a forma como você fala: alto demais ou rápido demais assusta. Baixo demais gera insegurança. A aparência limpa, roupas proporcionais e visualmente bem passadas, aliados a uma fala onde a velocidade é controlada, por vezes mais lenta, com pequenas elevações quando é preciso destacar algo importante para o paciente, vai gerar conforto e segurança.

 

2) Evite barulhos desnecessários e movimentos bruscos:

Ambos estressam pacientes. O clássico barulho do “motorzinho” está já conectado a reações de dor. Nesse sentido, os motores elétricos já reduziram muito o desconforto ao paciente e é um bom investimento. Já movimentos rápidos geram, no paciente, ansiedade. Essa pode ser tão forte ao ponto de o paciente se encolher na cadeira. Para evitar esse desconforto nada mais eficaz do que preparar a sala de atendimento antes da entrada do paciente, deixando tudo que pode ser previsto já a postos, aproveite para cobrir com o próprio campo estéril, evitando que o paciente veja agulhas, lâminas e instrumentos pontiagudos. Já no quesito movimentação, sempre que possível avise ao paciente que você vai se levantar, ou que vai pegar algo. Evite situações que pareçam imprevistos.

 

3) Aposte no marketing olfativo na odontologia:

Talvez esse seja um novo nome para você, mas saiba que marketing olfativo é um ramo que estuda a reação dos clientes aos mais diversos cheiros. Uma campanha da Starbucks no Reino Unido liberava aroma de café em uma parada de ônibus. Sempre que a porta se abria e as pessoas saiam do ônibus sentiam o cheiro de café. Resultado: aumento de 40% na venda de cafés durante a campanha.

Já no consultório a recomendação é o uso de difusores aromáticos específicos. Perguntei para a farmacêutica e especialista em Aromaterapia Cristiane Marcondes quais seriam as melhores recomendações para consultórios. Segundo ela, Olhos essenciais de Lavanda possuem efeitos relaxantes e calmantes. O óleo essencial de Tea tree age diminuindo as bactérias e fungos do ambiente. Já o óleo essencial de hortelã-pimenta tem propriedades anti-inflamatórias e também atua na diminuição do limiar de dor do paciente.Mas, antes de sair por aí comprando qualquer difusor para sua recepção, confira o site da Cristiane e veja que a combinação correta dos aromas e sua forma de composição fazem toda a diferença:  >>Clique aqui<<  para ver mais sobre aromaterapia na Odontologia.

 

4) Sala de Espera Agradável – Sem notícia ruim:

Robert Cialdini, um dos maiores cientistas do comportamento humano da atualidade fez a seguinte pesquisa: três grupos de pessoas receberam uma mesma tarefa. O primeiro grupo foi exposto a notícias negativas por 3 minutos antes. O segundo grupo foi exposto, pelo mesmo período, a boas notícias. Já o terceiro foi o grupo controle. Os três diferentes grupos realizaram a mesma tarefa e, como resultado, o desempenho do grupo que foi exposto a notícias negativas foi pior, mais demorado e alguns desistiram.

Se a sua sala de espera está carregada de revistas que só trazem más notícias, você está aumentando o medo, a ansiedade e o desânimo do seu próximo paciente. O mesmo vale para televisão ligada em telejornais ou canais de fofocas.

Minha recomendação é eliminar essas fontes tóxicas de informação, substituindo, por exemplo, para belos folders da sua clínica. Vale também uma boa música baixa, a ponto de permitir conversas entre pessoas, sem que elas precisem aumentar o tom da voz para isso.

 

5) Ambientes agradáveis respostas positivas:

Você deve pontuar com sua secretária um manual de condutas: nada de cara fechada, ar de cansaço ou reclamações. Sua equipe precisa ser vista como positiva, agradável e solícita. Acolhimento e simpatia são leis universais.

Conseguir isso não é fácil, mas é treinável. Isso significa que você, como dentista e líder de sua equipe, deve reforçar esse comportamento, estimulá-lo e, é claro, também dar o exemplo. Deixe problemas pessoais fora do ambiente de trabalho. Assim seu consultório ficará melhor, sua equipe também e, seus pacientes, vão amar esse novo clima.

Deixe seu comentário:

 

Compartilhe:

 

Faça download gratuito do livro