Como receber indicações de outros Dentistas

Compartilhe:

Praticamente todos os dentistas gostariam de receber indicações de colegas, principalmente os especialistas. O que poucos ainda dominam são os critérios que realmente fazem toda a diferença entre receber ou não indicações. Pense bem: se você fosse indicar um cliente a um outro dentista, qual seria o seu critério? E, ainda mais longe, qual seria o principal motivo que faria com que você continuasse a enviar outros casos para esse mesmo dentista? É isso que nos propomos a responder.

Existem duas formas de você receber indicações: ou você combina um valor pela indicação ou você cria laços que fortalecem essa parceria com base na confiança e segurança.

O CRO e o Código de Ética Odontológico vedam o pagamento de qualquer valor pela indicação de pacientes. Assim essa conduta é ilegal. Outro motivo para não apostar nela é que se uma parceria é formada com base em interesse financeiro, as chances de ela ir por água abaixo são muito grandes, seja por uma nova oferta melhor ou por qualquer outro motivo.

É necessário considerar que o dentista indicador se expõe ao passar o paciente dele para o colega. Essa situação quase sempre gera muita insegurança e esse é o principal motivo pelo qual a indicação não é uma conduta tão comum assim. Obviamente que dentistas com poucos clientes não são grandes fontes de indicação, mas dentre aqueles que já tem clientela formada, o hábito de indicar só é comum quando dois profissionais entram em sintonia quanto a segurança do cliente.

Para que isso se torne um hábito em seu consultório existe uma ação que está totalmente sobre o seu alcance, e que deve manter suas indicações em níveis bem interessantes. Ao receber uma indicação, faça o seu melhor e, quando terminar, mande uma carta ou e-mail para o colega indicador, informando ele sobre a finalização do caso e o que foi feito. Isso deixará o indicador tranquilo e causará aquela sensação de segurança fundamental para que as indicações continuem.

Agora há algo que é ainda mais poderoso: mantenha contato com o paciente indicado, acompanhando o caso. Quando esse paciente retornar faça um breve relatório para o dentista que originalmente indicou o paciente para você. Caso esse paciente tenha alguma necessidade de tratamento, como uma profilaxia, recomende que ele retorne no dentista que o indicou para passar pela avaliação dele e, assim, você terá comprovado que merece continuar a receber indicações, deixará seu colega muito seguro e confiante em você e, de quebra, ainda pode retribuir a indicação ao diagnosticar necessidades no paciente que, agora, retorna ao dentista que iniciou o processo.

Como se vê, esse método todos ganham: quem indica, quem recebe a indicação e o paciente, que recebe atenção diferenciada.

Para complementar essa explicação, recomendo que assista ao vídeo aqui nessa página. Ele contém explicações um pouco mais detalhadas sobre o assunto.

Também aproveite para cadastrar seu melhor e-mail no campo abaixo do vídeo e participar de nosso treinamento gratuito sobre gestão, lucratividade e qualidade de vida em odontologia.

 

Deixe seu comentário:

 

Compartilhe:

 

Faça download gratuito do livro